quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

A Lua e o Sol



A Lua e o Sol
era uma vez uma história para alimentar a esperança...
porque é que o sol e a lua nunca se encontram?
É uma longa história...
há muito tempo atrás, estava o sol a banhar-se no mar quando, de repente, vê um vulto branco, envolto numa luz de brilho ténue. Quanto mais o sol tentava olhar para aquela imagem mais vontade tinha de se aproximar para perceber quem era. Quando finalmente alcançou aquela que viria a ser a sua amada, perguntou:
- quem és tu, esfera branca de olhar tão meigo?
Sou a Lua, respondeu.
Ah, já tinha ouvido falar em ti... parece que raramente nos cruzamos. Costumas andar por estas bandas?
Sim, ando sempre por aqui, e tu? Vejo-te muitas vezes ao longe e confesso que...
neste momento, a Lua afasta-se e parece magoada. Um raio de sol tinha perfurado o seu corpo redondo, o que a fez fugir do Sol.
Este, intrigado, fica impaciente e preocupado com a sua mais recente conhecida. Sente que este encontro foi muito forte e receia não voltar a vê-la.
Acontece que no dia seguinte, um pouco mais tarde do que o habitual, o Sol olha de novo, durante o seu banho de mar e, ali está ela! Linda como no dia anterior ou até mais bela ainda. Com o coração palpitante, olha atentamente e acena-lhe, como quem quer puxar conversa. A Lua sorri-lhe e mostra-lhe o seu curativo, começando a afastar-se lentamente.
Lua! Lua! Não te vás embora, quero falar contigo. Não poderemos ser amigos?
Oh, sim, caro Sol, mas ontem percebi o porquê de sempre me terem prevenido que a tua companhia poderia ser perigosa... desculpa, não queria ofender-te mas, és demasiado quente para mim... oh, desculpa-me!
Não peças desculpa. Eu sei que é verdade. Eu é que não devia ter-me aproximado de ti... sabes, tenho vivido aqui sozinho desde que me separei da minha família. Todos eles ficaram lá longe e eu vim parar aqui, demasiado perto da terra, onde todos me adoram mas ninguém me alcança. Dizem até que começo a ficar perigoso para eles...
oh, pobre Sol. Como é que isso foi acontecer?
Foi uma grande explosão, é tudo o que sei. As minhas irmãs estão em toda a parte mas eu raramente as vejo porque a minha luz não mo permite. Onde eu estiver elas estarão escondidas. Mas sei que me encontraram, apenas não podem vir buscar-me porque sou imprescindível na Terra. Sem mim, todos morreriam. E eu, apesar de aqui tão só, sinto-me um pouco como pai dos terrestres, da sua Natureza.
Oh, Sol, és tão belo no teu coração! Como eu gostaria de ser assim importante na vida de alguém...
Talvez já o sejas mesmo sem saber... - o sol corou e desapareceu no horizonte.
Durante vários dias se encontraram e o Sol sempre a pensar na sua amada Lua e na fragilidade dela. Sabia que apenas se poderiam encontrar ao longe e em hora incerta, porque aquela menina era imprevisível! Como não tinha a importância do Sol, podia passar o tempo sem fazer nada, rebolando pelo ar.
De vez em quando lá tentavam aproximar-se mais um bocadito mas, resultava sempre em sofrimento para a Lua. Tinham que amar-se à distância.
Um dia, depois de perceber que a Terra girava em torno de si e que do lado oposto era sempre noite, o Sol teve uma ideia...
Sabes, estive a pensar em ti, em nós. Começo a ficar preocupado com essa tua vida de procura de algo que te faça sentir verdadeiramente feliz. Além disso, nunca sei quando volto a ver-te, a que horas apareces e de onde virás. Fico um pouco confuso.
Diz Sol quentinho do meu coração, o que pensaste tu? Deixa-te de rodeios porque está quase na hora do teu banho!
Bom, eu pensei que lá na Terra, segundo me disseram, todos ficam tristes quando eu desapareço e acontece algo a que chamam noite... dizem que tudo fica escuro, sem brilho. Pensei que talvez pudesses... - o Sol faz uma pausa e começa a corar, devagarinho.
Diz, diz! Não vês que vais começar a desaparecer?
Bom, porque é que tu não te pões no lado oposto da Terra e te deixas iluminar pelo meu amor, brilhando nas noites dos que lá vivem?
O Sol põe-se sobre o mar, corado como sempre em dias de Verão, sem obter resposta da sua amada.
A Lua, por sua vez, ficou saltitante de alegria com o gesto do seu amado, entusiasmada com a possibilidade de fazer parte da vida de alguém. No entanto, enquanto saltitava, percebeu que esse era o tipo de coisas que teria que deixar de fazer, já que ao ter um lugar na vida dos outros, teria que permanecer quieta, no mesmo sítio...
eu, sempre parada no mesmo sítio? E as minhas voltinhas sem rumo? O que vai ser de mim? Tenho que dizer ao Sol que talvez me vá embora. Preciso de liberdade.
No encontro seguinte, a Lua estava decidida a despedir-se do Sol e, cheia de coragem, aproximou-se dele para o abraçar uma última vez. BLOOOM!!!....
o calor do Sol voltou a feri-la e ela afastou-se rapidamente, com mais uma ferida visível. Mais uma cicatriz. O Sol ficou sem saber o que fazer e ao mesmo tempo pensativo, pois seria aquela a sua forma de dizer sim??
oh, meu querido, como eu gostava de estar perto de ti! Lamento, mas não poderei voltar aqui. Não sei o que me parece... só a ideia de não poder passear quando me apetece, fazer o que quero quando quero. Desculpa se te desiludi. Este era o meu abraço de despedida.
Mas....
a Lua afastou-se sem que o Sol tivesse tempo de perguntar fosse o que fosse.
O Sol ficou desesperado. Sofreu dias e dias, sonhando com noites brilhantes iluminadas pela sua amada.
Por sua vez, a Lua começou por sentir a sua liberdade como um prazer para, algum tempo depois achar que estava presa a uma saudade infinita. Infinito era também o seu amor. De que lhe servia a liberdade se não era importante na vida de ninguém? Para onde iria ela? Rapidamente descobriu que o seu lugar era perto do Sol, ainda que com a Terra entre os dois. Sem avisar, apareceu na noite, colocando-se o mais perto possível da luz e do calor do seu amado...
o Sol apercebeu-se disso e ficou verdadeiramente feliz, redondo de alegria! Aqueceu o mais que pôde a Terra onde era dia e isso notou-se onde era noite. A Lua estava finalmente a iluminar a escuridão e toda a terra aplaudiu de alegria.
O Sol e a Lua nunca mais se encontraram mas ambos sabiam que o seu amor era infinito e que um sem o outro não poderiam viver.
Com os raios do Sol distantes, a Lua emanava uma luz que parecia ser sua. Com a alegria do amor, o Sol aquecia a Terra e iluminava os dias.
Lá longe, as suas irmãs Estrelas, começaram a piscar todas as noites à volta da Lua, como que dizendo que estavam felizes por este amor .

domingo, 14 de outubro de 2007

terça-feira, 4 de setembro de 2007

Setembro

este é o meu mês, não tenho dúvidas.
é quando renasço, representa o meu nascimento e o recomeçar cada ano de vida com mais e mais energia.
faço em breve 35 anos. nem sei se deveria estar apreensiva com esta idade mas, sinceramente, o que me preocupa é chegar ao próprio dia, porque nada é garantido. mesmo que falte muito pouco tempo.
esta sensação de que cada minuto pode ser o último, dá-me uma exigência fora do comum que paradoxalmente me coloca na opção pelas coisas simples da vida.
adoro andar por este mundo, até porque não sei como será o próximo... bom, mas os meus planos para o futuro breve são ser extremamente feliz, amar sem limites, criar e reinventar soluções de futuro que não impliquem o sacrifício daquilo que mais prezo: o tempo.
como é que eu poderei apreciar a paisagem campestre que me cerca enquanto tomo o pequeno almoço se estiver sempre cheia de pressa? eu preciso disso para alimentar o meu desejo de verde. quanta tranquilidade nesta paleta de cores...
o verde quando nasce também é para todos. apreciem-no.

cheers

quarta-feira, 1 de agosto de 2007

maravilhas da natureza


ontem observou o meu príncipe que o nosso maracujaleiro maior, até agora estéril, afinal também tinha flor e não só uma mas, várias!!! foi uma felicidade só...
é bom ver que os meus pequenos já valorizam aquilo que a natureza nos dá ou nos tira. nenhum de nós compreende muito bem como Ela se comporta ou porque é que torna tão simples o crescimento de uma flor tão sofisticada. fascina-me mesmo. tudo o que a Natureza é e dá é dádiva, energia e o suficiente para ser feliz.

obrigada pelos meus sentidos

domingo, 29 de julho de 2007

SALDOS NA SHARAM!!!!


http://www.sharam.pt/ é um site de venda de vestuário de qualidade superior em segunda mão, com preço fantásticos! agora imaginem isto com descontos de 50%...

vestidos D&G por menos de 100€, saia Purificación Garcia por 17,5€, saias Sonia Rykiel por 34,5€, óculos de sol D&G por 26€, vestidos menina Petit Patapon ou Benetton por 7€... e por aí fora!


Comprem agora criando uma conta cliente ou criem apenas a conta cliente para constarem da base de dados e receberem a newsletter com as promoções, artigos novos da vossa preferência (por exemplo a vossa marca preferida ou as peças mais usadas).

E não se esqueçam, comparem os preços da SHARAM-PT com os preços originais, consultando por exemplo o site http://www.net-a-porter.com/

verão rapidamente como este site é uma espécie de mini-preço com a qualidade do supermercado Él Corte Ingles...

e mais não digo

sábado, 28 de julho de 2007

Elvis Costello - She

adorava que tivesse sido escrito para mim... ser a tua razão de viver.
para quando as tuas palavras para mim?